Programa Antídoto Portugal » Projectos
14 de Dezembro de 2017
 
 Projectos


CANDIDATURA A PROJECTO COM APOIO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS

Proposta para aquisição de serviços no âmbito do projecto Percorra milhões de anos geológicos nos 12878ha do sítio de Morais, da Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros 

Designação: “Percorra milhões de anos geológicos nos 12878ha do Sítio de Morais”

Resumo do projecto:

Tendo como objectivos a preservação do Sítio de Morais e o desenvolvimento das suas gentes, sensibilizando para o empreendedorismo, está previsto um conjunto de acções, no âmbito do Programa Antídoto Portugal, junto das mais diversas entidades relacionadas com a conservação e gestão de recursos naturais associados à fauna selvagem.
Com a realização destas acções, a Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros e o Programa Antídoto Portugal pretendem conhecer melhor os contornos da problemática do uso ilegal de venenos na região de Trás-os-Montes e ainda, através da sensibilização e formação das mais diversas entidades, tentar minimizá-la, sendo este um projecto de elevada importância para a contribuição na defesa da biodiversidade local.

Acções: Divulgação de material específico, realização de inquéritos pessoais no sentido de conhecer a problemática do uso ilegal de venenos, análises laboratoriais a animais selvagens e domésticos mortos com suspeita de envenenamento, criação de mapas de ocorrência de casos de envenenamento e base de dados de SIG, aquisição de kits-veneno para equipar as autoridades e realização de acções de sensibilização/formação.

Fase actual da execução: Em desenvolvimento. Acção de sensibilização e formação “A problemática do uso ilegal de venenos”, a realizar no próximo dia 27 de Outubro, no Centro Cultural de Macedo de Cavaleiros.

 

 

 

 

CANDIDATURAS A APOIO DO INSTITUTO DO AMBIENTE

PROJECTOS APROVADOS:

1.
Designação: Uso Ilegal de Venenos – Programa Antídoto
Data da candidatura: 30 de Abril de 2003
Resumo do projecto:
Este projecto consiste na realização de elaboração de material de informação e educação ambiental, dirigidas à população, com vista à sua sensibilização para o impacte da utilização de venenos sobre a fauna selvagem e a saúde pública.
Em termos gerais, pretende-se com este projecto, contribuir para a minimização do problema ambiental resultante da utilização ilegal de venenos estando, desta forma, a diminuir a mortalidade da fauna selvagem por envenenamento.
Valor do apoio: 2000€
Acções: Construção de website e edição de 5000 folhetos de divulgação
Fase actual da execução: Concluido

2.
Designação: Divulgação de informação sobre os protocolos de actuação do Programa Antídoto por entre agentes da autoridade de Portugal
Data da candidatura: 22 de Dezembro de 2003
Resumo do projecto:
Este projecto pretende realizar várias acções de informação e sensibilização dos diversos corpos de agentes da autoridade, sobre o procedimento adequado a tomar em casos de envenenamento de fauna silvestre e doméstica (em zonas não urbanas). Devido à actual situação de falta de formação e conhecimento dos protocolos a seguir nestes casos, bem como uma falta de consciencialização geral para o impacte da utilização de venenos sobre a fauna selvagem e a saúde pública, o problema tem vindo a acentuar-se nos últimos anos.
Este projecto delegará nas o­nGA´s um papel decisivo na divulgação de um importante conjunto de informação pelos agentes da autoridade envolvidos, no âmbito do Programa Antídoto, através dos seus técnicos e voluntários (veterinários, biólogos, advogados). Para além disso, será também a base para o desenvolvimento de acções posteriores, visto que a recolha de animais envenenados, a investigação dos casos e a punição exemplar da prática de uso de venenos passam por forças de autoridade bem formadas e informadas sobre a importância dos seus procedimentos no que diz respeito à luta contra o uso de venenos no meio natural.
Este projecto contribuirá decisivamente para que os protocolos de actuação em casos de envenenamento sejam seguidos da forma mais correcta, o que permitirá a investigação laboratorial e policial necessária para punir os infractores. A consciencialização da população em geral e de alguns actores sociais problemáticos (pastores, caçadores, gestores cinegéticos) passa pela redução da impunidade actual, que, em grande parte, é fruto da falta de formação das autoridades.
Valor do apoio: 4300€
Acções: Elaboração de 1 vídeo/dvd, aquisição de kits-veneno para equipar as autoridades e realização de acções de formação.
Fase actual da execução: Concluido

Nota: Este projecto contou com um apoio adicional da Black Vulture Conservation Fundation (Maiorca) actual coordenadora do Programa Antídoto em Espanha.


3.
Designação: A Caça e a Conservação da Natureza
Data da candidatura: 10 de Dezembro de 2004
Resumo do projecto:
Este projecto pretende levar a cabo diferentes acções de informação e divulgação no seio dos Caçadores portugueses, de forma a conseguir uma maior aproximação entre a actividade cinegética e a conservação da natureza, em particular das espécies de fauna selvagem que se encontram mais ameaçadas por práticas incorrectas e ilegais de gestão, como é o caso do uso de venenos para controlo de predadores. Para além da necessária sensibilização, pretendem-se realizar algumas acções de formação em áreas relacionadas com a Biologia e Ecologia das espécies silvestres, assim como sobre técnicas de maneio de espécies cinegéticas e gestão de ecossistemas.

Além de acções específicas, como as descritas anteriormente, pretende-se implementar uma campanha geral com base em publicidade em órgãos de comunicação social e internet, e participação em eventos cinegéticos, turísticos e agrícolas, que para além de permitir uma maior difusão da mensagem, proporcionará diversas oportunidades de aproximação entre 2 sectores que frequentemente se encontram em conflito, como são as organizações conservacionistas e as organizações de caçadores. Esta aproximação e trabalho conjunto será fundamental para a implementação deste projecto e para impulsionar futuras actividades, em particular no âmbito do Programa Antídoto – Portugal.

Pretende-se delegar todo o protagonismo deste projecto nos Caçadores, e na importância que têm para a Conservação da Natureza quando seguem valores éticos e políticas de gestão correctos e sustentáveis. Futuramente, pretende-se que este projecto mantenha os próprios caçadores a mobilizarem acções que dêem continuidade aos objectivos traçados.

O objectivo final de todos os projectos apresentados no âmbito do Programa Antídoto é a redução do uso de venenos em Portugal, o que apenas será conseguido através de trabalho junto dos sectores sociais que são responsáveis por esta prática, como é o caso dos caçadores. Existem diversas razões que estão na origem do uso de venenos, e grande parte delas serão abordadas com este projecto, principalmente ao nível da redução da ignorância e desinformação, que gera acções com graves consequências para a fauna selvagem protegida do nosso país.

Fase actual da execução: Concluido

 

CANDIDATURA AO PROGRAMA INTERREG III-B SUDOE

PROJECTO NÃO APROVADO:

Designação: Redes de Comunicação e de Acções Demonstrativas para a Protecção e a Revalorização dos Habitats e dos Recursos RuraisRURALNATUR
Data da candidatura: Julho de 2004
Resumo do projecto:
Com este projecto propõe-se que uma rede de municípios alcance os requisitos necessários para obter uma certificação de excelência ambiental que proporcione um modelo de gestão sustentável do território, a que posteriormente se possam juntar outras zonas do espaço SUDOE. Com isto, temos 3 objectivos:
- Cooperar no desenvolvimento de áreas rurais desfavorecidas mas com grandes valores naturais.
- Sensibilizar a população para o interesse de potenciar actividades favoráveis à vida silvestre e erradicar as prejudiciais, como é o caso do uso de venenos para matar predadores.
- Controlar o uso de pesticidas e outros venenos que representam actualmente a maior ameaça à Biodiversidade em Espanha e Portugal (não em França, o­nde não sofrem com este problema, e daí que este país não seja incluído neste projecto Interreg, que solicitamos para territórios o­nde urge intervir).

A mobilidade da fauna faz com que o problema do uso de veneno para matar predadores ultrapasse as fronteiras jurisdicionais nacionais e regionais e ponha em perigo os investimentos da União Europeia (UE). Só uma acção transnacional coordenada entre os Estados, as administrações autónomas e locais, as organizações não-governamentais (ONG´s) e a comunidade científica pode enfrentar adequadamente os conflitos que estão na origem do uso de venenos nos campos e assim proteger as espécies em perigo de extinção.

Este projecto promove a contribuição do mundo rural para a protecção da Biodiversidade, de uma forma que lhe traga compensações económicas e reconhecimento social adequados. A auto-estima originada pelo protagonismo que se lhes concederá, e a garantia do futuro económico dos que trabalham em zonas de elevado valor ecológico, são partes deste projecto que visam travar o declínio de núcleos rurais marginais.

Com este projecto, cooperaremos na aplicação do regulamento CE-1782/2003 da Política Agrícola Comum (PAC) que associa os apoios agro-pecuários ao cumprimento das directivas ambientais, contribuindo para o cumprimento do 6º Programa Ambiental da UE, que pretende “deter a perda da Biodiversidade na UE em 2010” e “incentivar a aceitação dos rótulos ecológicos e de outras formas de informação ambiental e rotulagem que permitam aos consumidores comparar o desempenho ambiental de produtos do mesmo tipo”.

Âmbito territorial e sócios: 1: Cantábrico (sócio: FAPAS). 2: Canárias (Cabildo de Fuerteventura). 3: Andaluzia (Fundação Gypaetus).  4: Portugal (Instituto de Conservação da Natureza - ICN; Município de Idanha-a-Nova; Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, Centro de Estudos da Avifauna Ibérica (CEAI), Liga para a Protecção da Natureza (LPN). Co-financiadores: Ministério de Meio Ambiente (MMA) de Espanha e as Comunidades Autónomas da Andaluzia, Astúrias e Cantábria.
Período de execução previsto: Maio de 2005 a Abril de 2007. Orçamento (em 2 anos): 1.484.000 €

webmaster@antidoto-portugal.org

Copyright © 2005 Programa Antídoto-Portugal