Programa Antídoto Portugal » Tóxicos e Fauna » Estricnina
12 de novembro de 2019
 
 Estricnina

A Estricnina, um alcalóide indólico extraído das sementes da planta Strychnos nux vomica ou Strychnos ignatii, é o veneno com mais referências históricas e actualmente continua a ser o mais utilizado em Portugal, apesar da sua comercialização estar proibida. Nos casos de envenenamento de fauna em que foi possível comprovar laboratorialmente o envenenamento, a Estricnina foi o tóxico detectado em mais de 60% dos casos.



Águia-real envenenada com Estricnina em Sendim (Miranda do Douro), Junho de 2002
Foto: Miguel Nóvoa

Este veneno de elevadíssima toxicidade foi durante muito tempo comercializado legalmente em Portugal e noutros países. No entanto, os efeitos do seu uso e o impacte registado em muitas espécies levaram à proibição da sua comercialização e utilização em muito países. Contudo, a aparente falta de controlo sobre a posse deste tóxico leva a que muitas pessoas ainda o possuam e utilizem, assim como outros igualmente proibidos. Nos meios rurais, estas situações são particularmente preocupantes pois é frequente obter referências e rumores sobre possíveis locais de venda um pouco por todo o país. Esta aparente facilidade de obtenção deste veneno, aliada a uma cultura de fácil utilização, constitui uma séria ameaça à conservação de muitas espécies que ocorrem no nosso país.



Frasco com Estricnina, um veneno ainda muito utilizado ilegalmente em Portugal
Foto: Santiago Burneo


Toxicologia Clínica: 
- Envenenamento com Estricnina -

Artigos recomendados:
- Philippe G et al. 2004. About the Toxicity of Some Strychnos species and their alkaloids in Toxicon 44, pp.405-416.

 

 

webmaster@antidoto-portugal.org

Copyright © 2005 Programa Antídoto-Portugal